No Ar:
 Madrugada Capital
Próxima atração:
 Fazendo rastros pelo Brasil


HOME

A RÁDIO

COMERCIAL

PROGRAMAS

NOTÍCIAS

BLOGS

PODCASTS

AGENDA

CONTATO

Notícias

Saúde
Terça-feira, 13 de Dezembro de 2016
   

Parceria do Governo de São Paulo visa diminuir ações judiciais na saúde

Confira na reportagem de Cid Barboza.

Por: Ana Paula Novaes


A Justiça recebe milhares de ações, solicitando que a Secretaria Estadual de Saúde forneça remédios, banque cirurgias no exterior e outros pedidos. Com isso, o governo do estado fechou uma parceria nesta terça-feira (13) com o Tribunal de Justiça, o Ministério Público e a Defensoria Pública do Estado para ajudar juízes a tomar decisões. A ideia é realizar conciliações antes que os processos cheguem à justiça. O protocolo foi denominado Acesso SUS.

“Tem crescido muito o número de ações judiciais, dos mais variados tipos, então, estamos aqui realizando um fato inédito e histórico, em que todas as demandas passarão por uma análise técnica da Secretaria de Saúde. Se está no protocolo, o paciente será atendido e os casos excepcionais será verificada a necessidade, com a hipótese de incluir na lista SUS esses novos pleitos”, destacou o governador Geraldo Alckmin. “Garante o direito das pessoas e, por outro lado, evita um gasto desnecessário”, acrescenta.

Pelos novos protocolos de fornecimento de medicamentos previstos na parceria, as receitas dos pacientes que procurarem as instituições da Justiça e postos de atendimento da secretaria serão encaminhadas para uma comissão, que irá avaliar individualmente cada caso, antes de qualquer decisão judicial sem necessidade.

De acordo com Alckmin, o valor que o Governo do Estado despendeu este ano em função de ações judiciais de medicamentos chegou perto de R$ 1,2 bilhão, verba que poderia ser aplicada na saúde para ampliar o serviço de saúde e ampliar a ajuda para as santas casas.

Segundo o secretário estadual de saúde, David Uip, a intenção é que as 17 regionais do estado participem da ação. Ele explica os benefícios deste convênio para a administração de recursos. “Além de comprar melhor, compraremos com menor custo. Esperamos ter uma redução muito importante. Esse R$1,2 bilhão que custa aos cofres do estado de São Paulo não é dinheiro novo do orçamento. É dinheiro que deixo de usar em um lugar para outro”, frisou.

Uip destacou que há casos excêntricos que são judicializados. “Não é possível que o estado seja obrigado a comprar achocolatado, água de coco, sabonete íntimo. Fui judicializado recentemente a comprar um medicamento para cachorro. Adoro cachorro, mas eu pago a conta dos meus. Não posso comprar camisinha com hino de clube. Somos obrigados a comprar 140 tipos de fraldas. O remédio patenteado custa 30 vezes mais que o genérico. Se existe um genérico qualificado, por que não o genérico? Esse sistema vai desanuviar o judiciário e dar a possibilidade para o cidadão, em cima de suas ações que são pertinentes, que ser mais rapidamente atendido”, finalizou.

Confira a reportagem e foto de Cid Barboza. 




Link: http://capital1040.com/noticias/?n=18110
Arte e Lazer
Brasil
Chuvas
Cidade
Dinheiro
Educação
Eleições
Emprego
Esportes
Memória
Mundo
Polícia
Política
Previdência
Saúde
Serviço
Social
Trânsito

Blog da Capital
Blog Show de Bola Capital



Central do Ouvinte: (11) 3053-1040


HOME | A RÁDIO | COMERCIAL | PROGRAMAS | NOTÍCIAS | BLOGS | PODCASTS | AGENDA | CONTATO |

Todos os direitos reservados - Rádio Novo Mundo Ltda
Central do Ouvinte: (11) 3053-1040